TDAH




O que é TDAH – Transtorno do Déficit de Atenção / Hiperatividade

É uma das síndromes neurobiológicas mais comuns e caracteriza-se pela presença de vários sintomas relacionados entre si, que podem apresentar-se simultaneamente ou não. Podemos subdividir de acordo com o DSM-IV o TDAH em três tipos:

• Transtorno do déficit de atenção com predomínio do sintoma de desatenção;
• Transtorno do déficit de atenção com predomínio do sintoma de hiperatividade;
• Transtorno do déficit de atenção combinado, no qual ambos os sintomas se manifestam.

Quais os sintomas do TDAH:

• Dificuldade de manter a atenção;
• Inquietação que se traduz por uma grande agitação motora e mental e impulsividade.

Todos esses sintomas estão relacionados ás alterações das chamadas "funções executivas", que são aspectos do funcionamento cerebral que envolvem o planejamento, organização, execução das ações em monitorização do próprio comportamento do indivíduo.

O que causa o TDAH:

Embora não se saiba com precisão as causas do TDAH, diversos estudos têm apontado causas genéticas e de origem biológica como principais fatores:

• Imaturidade cerebral (Visão neuromaturacional)
• Neurotransmissores envolvidos (Visão neuroquímica)
• Sistemas atencionais anterior e posterior (Visão anatomofuncional)

Que tipos de problemas psicológicos podem frequentemente acompanhar o TDAH:

No caso do TDAH, os transtornos mais comuns são:

• Transtorno Desafiador de Oposição (TDO): cujo o comportamento mais freqüente é a oposição, provocação a figuras de autoridade e desafio a regras sociais.
• Transtorno de Conduta Antissocial: que caracteriza o desrespeito às regras sociais, cometidos de modo impulsivo, agressivo e sem culpa.
• Transtorno de Aprendizagem: Diversas dificuldades de aprendizagem podem acompanhar o TDAH. As mais comuns são as relacionadas com o atraso e déficit de aquisição da fala, leitura e escrita, como a dislexia, dificuldades de memorização e concentração.


Aprendizagem




O aprendizado é um processo complexo, dinâmico, que resulta em modificações estruturais e funcionais permanentes do sistema nervoso central. As modificações ocorrem a partir de um ato motor e perceptivo, que, elaborado no córtex cerebral, dá origem à cognição. É importante que seja feita uma diferenciação entre os termos:

Dificuldade para Aprendizagem:

É um termo genérico que abrange um grupo heterogêneo de problemas capazes de alterar as possibilidades de a criança aprender, independentemente de suas condições neurológicas para fazê-lo.

Transtornos de Aprendizagem:

A expressão transtorno de aprendizagem deve ser reservada para aquelas dificuldades primárias ou específicas como de leitura, escrita ou matemática, em indivíduo que apresentam resultados significativamente abaixo do esperado para seu nível de desenvolvimento, escolaridade e capacidade intelectual.

O transtorno de aprendizagem pode ser suspeitado naquela criança que apresenta algumas características como:

• Inteligência normal;
• Ausência de alterações motoras ou sensoriais;
• Bom ajuste emocional;
• Nível socioeconômico e cultural aceitável

O transtorno deve ter estado presente desde os primeiros anos de vida, o que pode ser evidenciado por um atraso no desenvolvimento da habilidade em questão. Pode-se observar que, apesar do atendimento específico, o problema que a criança apresenta persiste, muitas vezes por toda a vida.

Tipos de Transtorno da Aprendizagem:

• Transtorno da leitura: é caracterizado por uma dificuldade específica em compreender palavras escritas;
• Transtorno da matemática: conhecido também como discalculia, não é relacionado à ausência de habilidades matemáticas básicas, como contagem e sim à forma com que a cerca.
• Transtorno da expressão escrita: refere-se apenas à ortografia ou caligrafia, na ausência de outras dificuldades da expressão escrita. Existe uma combinações de erros gramaticais e pontuação dentro das frases, má organização dos parágrafos, múltiplos erros ortográficos, na ausência de outros prejuízos na expressão escrita.

Diagnóstico do Transtorno de Aprendizagem: 

É importante para o diagnóstico o grau de comprometimento, que deve ser referindo-se à média de dois anos abaixo do desempenho esperado para uma criança da mesma idade, nível mental e de escolaridade.




Memória




Memória é um evento divisível em três fases: Aquisição, consolidação e evocação das informações. Uma outra forma de definir a fase de aquisição das memórias é chamá-las simplesmente de aprendizado, ou seja, só fica gravado aquilo que foi aprendido.

Não existe uma única memória, senão um conjunto de memórias. Existem memórias simples e complexas. Existem memórias visuais, auditivas, somestésicas, cinestésicas, olfativas, emocionais, complexas e muitas outras. Existe uma memória para cada uma das funções corticais e existem tantas memórias quantas experiências tivermos tido a oportunidade de viver.

Memória Operacional, ou Memória de trabalho ou Memória Imediata:

Ela funciona como uma interface entre as informações que chegam pelos cinco sentidos e a formação e a evocação de memórias. Esse tipo de memória não forma arquivos. Funciona como uma memória RAM dos computadores.

Memória e Atenção:

Ter atenção não é somente o fato de estar desperto e vigil. Certamente o estado de vigilância também deve ser acompanhado da plena capacidade em saber selecionar quais das informações que estão chegando ao sistema nervoso central são relevantes para aquele instante. 

A atenção dá o suporte neurobiológico para o primeiro passo mnemônico. Sem atenção não há como haver aquisição adequada da informação. E a aquisição de novas informações é sinônimo de aprendizado. Sem aquisição de memórias não vai haver a consolidação, nem a possibilidade de evocação de memória alguma. 

Memória e Motivação:

Motivação é algo difícil de definir. É o entusiasmo e a vibração em relação a determinado assunto. A motivação pode atuar com maior intensidade basicamente na aquisição e na consolidação. Muito provavelmente, a maior influência da motivação seja na fase de consolidação das memórias, que é o mais importante dos passos mnemônicos.

Memória e Ansiedade:

A ansiedade da criança que esta aprendendo pode ser endógena ou pode advir do quão ansiogênicos são os seus páis, seus educadores ou até o próprio ambiente. O grau máximo de ansiedade é chamado de transtorno da ansiedade generalizada (TAG). Fazem parte desse espectro várias situações neuropsiquiátricos, tais como: as fobias, os medos e até mesmo a chamada síndrome do pânico. Nas crianças, por exemplo, pode ser detectada a fobia escolar.


Psicóloga e Psicopedagoga - CRP 06/98409
Especialista em Neuropsicologia pela INESP
Atendimento para crianças e adolescentes

Telefones: (11) 2815-0145 | 98302-2242
Rua Padre Estevão Pernet, 1059 - sala 52 - 5º andar - Carrão - São Paulo/SP
© Copyright 2019 Lilian Wolski - Todos os direitos reservados
Jay Design